aomemudareuaprendi comportamento

Sua vida é uma casa emprestada

16:19Ghiovana Christini



Eu moro de aluguel. Desde que nasci, já troquei de casa e quarto inúmeras vezes. Semana passada, eu me mudei novamente, só que, dessa vez, foi diferente. 

Durante o ano, eu havia reformado muita coisa na casa que morava. Pintei as paredes da sala toda. Dei uma nova cor ao meu quarto também. Escolhi e colei com carinho um papel de parede lindo. Pendurei quadros. E até tirei fotos do antes e depois pra publicar em um post que agora já nem faz sentido. Eu me empenhei e investi muito naquela casa. Isso tudo porque não pretendia sair de lá tão cedo.  Mas, o dono precisou dela às pressas. Alguém da família estava doente e ele teria de voltar a morar na cidade. Então, eu tive de sair. 

Meu quarto estava realmente lindo. Do jeitinho que eu queria, depois de tanto tempo. E há uns três dias, eu entrei nele e pude vê-lo vazio, só com o papel de parede e a tinta que eu tanto gostava, e tive de deixar lá. 
Imediatamente Jesus sussurrou ao meu coração: "Tudo que não é eterno, fica. Essa casa não era sua."

Hein, Jesus? Não entendi. 
"Essa casa não era sua. Essa vida também não é."
Estou começando a entender, Jesus. Me dá só mais uma dica.
"Sua vida é uma casa emprestada."


Então eu entendi o que Jesus estava me dizendo. E era mais ou menos isso: 
"Você morava em uma casa, mas ela tinha um dono, e ele a quis de volta. Eu sou o Dono da sua vida, e também só a emprestei pra você. O que você quer levar?"
Jesus estava me ensinando sobre a eternidade, e a sua soberania e senhorio sobre a minha vida, que, aqui, é passageira. 

Eu investi e me dediquei horrores em uma casa que não era minha, e tive que deixar tudo lá ao sair. A minha vida não é minha também. A sua vida não é sua. No que temos investido? O que vamos levar daqui? 

A gente decora nossa passagem terrena com tantas coisas. Gasta os dias pintando paredes fadadas a caírem. Comprando lotes,  carros e ações. Ocupando 40h semanais em troca de dinheiro pra sobreviver, ou esbanjar. Preenchendo nosso coração com passatempos e distrações. A gente está tão acomodado nesse mundo, que parece nem lembrar mais que nossa morada não é aqui. 

Fazemos planos e mais planos, e nos esquecemos de que essa vida nem nos pertence. Em casas, moramos de aluguel. Na vida, moramos de favor. De graça. Mas, um dia, o Dono vai a requerir de volta. E não poderemos levar nada.

A única coisa que trouxe para minha nova casa, foram os móveis. O que tinha dentro. O que eu podia carregar comigo. E é nisso que devemos investir. Nas únicas coisas que levaremos conosco: nosso coração, e as obras que fazemos para a glória de Jesus. Nossa parte na construção de um Reino eterno. O que carregamos e manifestamos aqui. 


"E direi a mim mesmo: Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se’.

Contudo, Deus lhe disse: ‘Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou? ’

Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus.

(Lucas 12:19-21)

O que temos preparado e para quem será? Onde temos construído o nosso tesouro? Onde está o nosso coração? Todas essas perguntas começaram a serem feitas a mim mesma diante de tal revelação. 
"O que eu estou fazendo, ecoa na eternidade, ou é só futilidade?"
Como nossa vida seria diferente se nos fizéssemos essa pergunta com mais frequência e agíssemos de acordo com a sua resposta. 

Nosso coração precisa ser consertado. Nosso tesouro precisa se mudar pra um lugar maior do que os limites de um mundo temporal. Precisamos começar a construir coisas na eternidade. 


"Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam.

Mas acumulem para vocês tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam.

Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração."

(Mateus 6:19-21)

Nossa vida é emprestada e não sabemos quando teremos de devolvê-la. Que vivamos de uma forma que, quando esse dia chegar, não haja nada daqui que queiramos levar, mas tudo de lá, que ansiamos conhecer.


De quem mudou de endereço, mas continua não sendo daqui,
Ghiovana Christini. 

Talvez Você Goste Também

0 comentários

Posts Populares

Contato