comportamento cura

Limpem os balcões

18:34Ghiovana Christini



Comecei a trabalhar em uma loja de roupas no mês passado. Uma experiência incrível. Conheci pessoas fantásticas e tenho me desafiado a ser boa em algo que eu nunca tinha feito antes.  Nesse pouco tempo pude aprender muitas coisas e, entre elas, o Espírito Santo - que não perde oportunidades - também aproveitou para me ensinar algumas.

Se tem uma lição que você precisa aprender e uma frase que você ouve muito quando trabalha em uma loja, é: "limpe os balcões". E eu não estou falando de pegar uma esponja e esfregar, nem nada disso. Mas, de deixá-lo livre de peças acumuladas, para que possa se expor novamente as roupas quando o próximo cliente chegar.

Funciona mais ou menos assim: Os clientes entram, abrimos todas as roupas de seu interesse sobre o balcão e, quando ele as descarta, quando vai embora, ou enquanto prova as que escolheu, dobramos e guardamos as que ficaram, rapidamente, para que não acumule bagunça.

Estava conversando com uma colega de trabalho nesta semana, enquanto dobrávamos, e ela me disse: "se não dobra enquanto é pouco, acumula e depois a gente se vê louca." Touché, eu tinha tudo o que precisava.

Lembrei-me daquele velho ditado: "Roupa suja se lava em casa", e pensei em quanta gente tem cestos de roupas sem lavar. Quanta gente deixa acumular tanta roupa sobre o balcão, que não tem mais espaço pra nada novo, porque não dobraram e guardaram enquanto eram apenas três ou quatro peças. Virou bagunça.

Eu sempre fui muito calada e expert em guardar as coisas pra mim.  Coisas que me feriam, coisas que eu não gostava, coisas com as quais eu não concordava. E eu me orgulhava disso, porque achava que era melhor calar do que comprar briga. Era melhor ter paz com as pessoas do que ter razão. E eu não descarto essa verdade em algumas situações. Há brigas que custam caro demais para serem compradas. Há momentos em que o mais sábio a se fazer é se calar, e levar a situação diante de Deus, para que Ele, que é justo, dê a palavra final. Há momentos em que o melhor é guardar para si. Mas, ao contrário do meu antigo pensamento extremista sobre isso, hoje eu vejo por dois ângulos, e agradeço por isso.

No início do meu relacionamento, meu namorado - que conhece meu jeito e, mesmo quando eu não dizia as coisas, conseguia perceber - me disse: "Se você se calar toda vez que eu fizer algo que você não gosta e guardar pra você, uma hora você vai explodir pra cima de mim e eu não vou entender nada, porque você nunca havia dito. Você precisa falar, logo. Conversando, a gente resolve tudo."

A partir desse dia eu pude entender: Por muito tempo na minha vida, eu não estava resolvendo os problemas. Não estava os dobrando e guardando em seus devidos lugares. Eu estava simplesmente deixando tudo se empilhar sobre os meus balcões escondidos. E, se eu não mudasse, de fato, aquilo ia virar uma pilha de confusão, até acabar com todos os meus relacionamentos e minha saúde emocional.

Eu estou escrevendo isso hoje porque sei que muita gente é da mesma forma. Eu estou utilizando o que aprendi com os meus erros para que você possa acertar sem errar, ou, se já erra nisso, aprender e corrigir também.

Não adianta empurrar as coisas pra debaixo do tapete: As coisas precisam ser resolvidas. Mesmo que cause horas de discussão e uma tremenda dor de cabeça. Mesmo que algumas palavras ouvidas machuquem. Mesmo que as ditas não sejam também tão fáceis de pronunciar. É necessário.

É necessário porque quando não se limpa os balcões, não sobra espaço pra se mostrar o que é bonito. A vida se transforma num amontoado de roupa amassada e distorcida. O encanto vai sendo soterrado pelo que nunca se resolveu. E isso afeta todas as áreas.

Conheço pessoas que perderam sua alegria afogadas em meio a mares de conflitos internos que enquanto eram apenas gotas, foram ignoradas. Sei que existem milhares de casais totalmente infelizes porque não gostam de algo que o outro faz, mas, em vez de conversar e resolver, usam os defeitos para atacar, justificar seus próprios erros ou, simplesmente, reclamar.

Homens falando mal de suas esposas e mulheres expondo os erros dos seus maridos o tempo todo, porque não tem coragem de enfrentar, dizendo o que de fato incomoda e buscando uma solução. Viram-se um contra o outro, em vez de voltarem-se juntos contra o problema.
Relacionamentos são destruídos todos os dias por desgastes, porque coisas - aparentemente - pequenas foram acumuladas, até que o desânimo e a frustração tomasse conta.

Você já percebeu que um casal geralmente briga o tempo todo pelas mesmas coisas? Os mesmos problemas. Os mesmos assuntos. Os mesmos acontecimentos. Até que um dia se cansam de bater na mesma tecla, se conformam, e permanecem apenas aguentando um ao outro, numa comodidade pacata e fadada ao fracasso.

É porque eles não resolveram de fato da primeira vez. Alguma parte negligenciou a mudança pra abolir o problema. Ou, as duas. Ou, então, houve um falso perdão, uma falsa resolução, e, depois de anos, traz-se a tona a mágoa e joga-se na cara do outro. Aquilo nunca foi dobrado, nunca foi guardado. Estava sobre algum balcão amontoado dentro do coração.

Eu desenvolvi gastrite nervosa muito cedo e tive várias crises por viver dessa forma. Eu chorei o que não precisava ter chorado, porque me entupi de tanta coisa, que transbordou. Então, eu preciso te dizer.
Em tempos onde a depressão é a doença do século, as amizades não duram mais, os divórcios são extremamente fáceis, os relacionamentos, volúveis, e a perseverança e o compromisso de vestir a camisa e lutar até o fim por quem se escolheu, está quase sendo extinta, nós precisamos entender e aplicar essas verdades.

Pare de estocar veneno. Não deixe os problemas criarem pilhas sobre você. Dobre um por um. Se mexa. Resolva.
Não desista de quem está do seu lado em meio a um amontoado de roupas sujas e jogadas. Há beleza por baixo disso. Há coisas lindas e novas esperando para serem exposta e vividas. Mas, primeiro, você precisa limpar. Você precisa desocupar seu coração de acúmulos de tristezas e problemas não resolvidos. Você precisa abrir espaço para vestir-se de algo novo. Vamos, você consegue!

"Limpem os balcões." - eu ouvi mais uma vez enquanto terminava de pensar e redigir esse texto mentalmente.
Eu sorri, e fazendo a minha parte, eu limpei.
Eu consegui.


De quem limpa os balcões todos os dias,
Ghiovana Christini.


Talvez Você Goste Também

0 comentários

Posts Populares

Contato